Blog

Por Amor de Seu Nome - Parte Três

Na primeira parte, determinamos que ao invés de desenvolver uma teologia bíblica de missões, nosso melhor enfoque é desenvolver uma teologia missional da Bíblia. Para fazermos isso, estamos analisando os componentes da “Declaração do DNA” da Crossover, que diz:


Na parte dois, examinamos o primeiro componente do DNA da Crossover Global, que é motivação doxológica para missões: “A Crossover Global busca glorificar a Deus de forma apaixonada...” Isso é o que nos leva a plantar igrejas multiplicadoras, que é o segundo componente do nosso DNA. 


Uma passagem chave para entendermos a importância de se plantar igrejas multiplicadoras está em Atos 19.9-10, onde encontramos o apóstolo Paulo “dissertando diariamente na escola de Tirano”, e “ele fez isso durante dois anos até que todos os moradores da província da Ásia, tanto os judeus como os não judeus ouvissem a mensagem do Senhor” (NVI). Soa um pouco absurdo não? Um cara senta dando palestras todos os dias e de alguma forma isso leva à evangelização de todos os grupos de pessoas no imenso território que hoje chamamos de Turquia... em menos de dois anos?! Como??



A resposta é que Paulo e seus discípulos não estavam somente debatendo as últimas filosofias do dia. Pelo contrário, eles estavam evangelizando os incrédulos que vinham para a escola, e alguns deles se tornaram crentes em Jesus. E eles estavam estabelecendo aqueles novos crentes na fé, para que eles se tornassem discípulos. E eles equipavam aqueles discípulos para serem trabalhadores efetivos na colheita. E, finalmente, eles começaram a enviar aqueles trabalhadores para fora, por toda a Ásia Menor como “Cristãos do mundo”, o que quer dizer, Cristãos que eram tão apaixonados por Deus e sua glória extensiva ao mundo que eles reproduziram tudo o que aprenderam na escola de Tirano. Em outras palavras, eles saíram e plantaram igrejas! Quando você evangeliza, estabelece, equipa e envia uma pessoa, você tem um Cristão mundial. Quando faz isso com várias pessoas que começam a se reunir regularmente e fazer a mesma coisa, você tem uma igreja!


Caso você esteja pensando, essas quatro ênfases – evangelizar, estabelecer, equipar e enviar – tem um nome. Nós chamamos de “Ciclo de Multiplicação de Ministérios”, ou CMM. E não fomos nós que o inventamos. Nem Paulo. Foi Jesus mesmo que ensinou e foi modelo do CMM. No início do seu ministério, encontramos Jesus focado em evangelismo: “venham ver” (Jo 1:35-51 – NVI). À medida que seu ministério terreno progrediu, nós o encontramos estabelecendo novos crentes na fé: “sigam-me” (Mc 1:16-20). Depois encontramos Jesus equipando os doze, aos quais Ele designou para “estarem com ele” (Mc 3.14-19). E finalmente, Jesus enviou onze deles para mudar o mundo quando disse: “Eu os envio” (Jo 20.21). 


Jesus sabia que a multiplicação da igreja era a chave para fazer discípulos de “todas as nações” (Mt. 18.19-20). Na parte quatro, vamos dar uma olhada no que “todas as nações” significa e porque ela é uma estratégia prioritária para os nossos esforços missionários. 


João Mordomo




37 views

© 2020 Crossover Global, all rights reserved | We are a 501(c)(3) tax-exempt organization. | Donations are tax-deductible as allowed by law | Privacy Policy